Conheça os sintomas da menopausa aos 50 anos

O corpo feminino e o masculino necessitam de uma diversidade hormonal para os seus funcionamentos. Os hormônios têm a responsabilidade de modificar o humor, alterar questões corporais e ainda, pelos altos e baixos emocionais, referente a muitos aspectos diários femininos, incluindo a sexualidade da mulher. É dessa forma que os sintomas da menopausa aos 50 anos correspondem com a questão hormonal que entra em conflito.

Isso ocorre em todas as etapas da vida feminina, como na primeira menstruação, até atingir maiores experiências, quando acontece a perimenopausa, menopausa e, então, o climatério.

O assunto em questão aborda, principalmente, a pré-menopausa, que é o período conhecido como o dos fogachos, em que há a percepção nítida de muitas modificações corporais da mulher, comprometendo o teor qualitativo sexual e da vida, por vezes.

Como, de fato, saber o que é a menopausa e se você realmente está nesse período da vida feminina? É o que o público feminino entre os 50 anos quer entender. É nesse momento, que os sintomas da menopausa aos 50 anos começam com os fogachos, calores que vão e vêm repentinamente.

O foco do artigo será sobre o início da menopausa, para um maior entendimento hormonal e de seu funcionamento, verificando os sintomas da menopausa aos 50 anos e os influenciadores destes sinais em nosso cotidiano, relações e sexualidade.

Os principais sintomas da menopausa aos 50 anos são:

  • Fogachos
  • Sinais urogenitais
  • Depressão
  • Modificações de humor
  • Calor excessivo
  • Falta de sono
  • Variação na menstruação
  • Falta de lubrificação vaginal
  • Inibição da libido

Pré-menopausa, menopausa e climatério: o que são?

Anteriormente a qualquer coisa, é importante definir os três termos mencionados. A razão disso é que, ainda que exista um senso comum a respeito dos temas, cada uma das etapas tem sua definição a ser desenrolada e entendida para melhor adaptação da mulher.

A terminologia “menopausa” é definida, de forma exata, como o último período de menstruação, demarcado pelo final da fertilidade feminina e começo da etapa do climatério.

Esta é a fase em que o público feminino tem uma pausa na produção de óvulos. Portanto, os ovários destacam a parada dessa funcionalidade no corpo da mulher. Por isso, o que as mulheres passam são três etapas, que têm o costume de ocorrer na faixa etária dos 50 anos:

  • a pré-menopausa;
  • a menopausa;
  • climatério.

Essa fase marca de forma geral a vida de uma mulher. Ela é a representação do final da faixa etária de reprodução, em que há ovários sem funcionamento, o organismo da mulher se modificando e alterações com muito significado para as questões hormonais.

O público feminino sente diferença no corpo, convivendo com fatores desconfortáveis, muito comuns nos sintomas da menopausa aos 50 anos e podem buscar um acompanhamento médico.

Dentre uma diversidade de modificações em que o público feminino está sujeito nessa etapa da vida, está a redução das taxas de hormônios. Alguns elementos que resultam em modificações de humor e uma inibição da libido, assim como a secura vaginal, são fatores que têm início na pré-menopausa.

Sintomas: menopausa e climatério

Ao passo que o período da menopausa começa a se aproximar, os fluxos de menstruações começam a ter irregularidades, e podem ter níveis menores ou maiores do que normalmente.

A duração do sangramento tem o hábito de ser mais curto, porém, o quantitativo de sangue perdido pode ter uma elevação. É muito natural que a mulher passe 60 ou mais dias sem a menstruação, o que dificulta a compreensão antecipada do último fluxo menstrual.

Para uma definição da data da menopausa, e conseguir a afirmação de que a mulher realmente está em período de climatério, é necessário que esteja, no mínimo, um ano sem menstruações.

sintomas da menopausa aos 50 anos  Conheça os sintomas da menopausa aos 50 anos menopausaedit

Fogachos

As tão conhecidas ondas calorosas da menopausa, também denominadas fogachos, são os sinais mais comuns e naturais do climatério. Eles começam, ao passo que a menopausa comece a se aproximar e permanecem pelos anos iniciais do climatério. Essas ondas calorosas têm o costume de perdurar por doze até 60 meses, porém, existem muitas mulheres que percebem o sintoma do calor até a faixa etária dos 70 anos.

Os fogachos, de forma geral, iniciam com uma repentina sensação calorosa no peito e na face, que, logo, generalizam-se. Essa sensação de quentura tem duração por dois a até quatro minutos, relacionada com frequência ao suor excessivo e, de forma ocasional, palpitações.

Nesse momento, as mulheres recorrem a métodos relacionados a como eliminar o calor da menopausa. Terapias e chás são bem vindos nessa etapa da vida feminina.

Diversas vezes, os fogachos são seguidos por tremores e calafrios, e, ainda, algumas crises de ansiedade. Os fogachos, de forma geral, acontecem diversas vezes ao dia, e são caracterizados pelas ocorrências noturnas.

Sinais urogenitais

A parte de tecido que promove a cobertura da vagina, denominada de epitélio vaginal, é extremamente sensível ao hormônio intitulado estrogênio. Posteriormente à menopausa, a falta de estrogênio suficiente acaba desencadeando um epitélio vaginal mais fino, e a consequência é uma atrofia vaginal – ou a denominada vaginite atrófica – que destaca os sinais de secura vaginal, pruridos e dores nas relações sexuais.

A deficiência de estrogênio também provoca uma redução do fluxo de sangue vaginal e da vulva. Esta redução promove uma diminuição da libido, inibindo também a lubrificação da vagina. A ausência de estrogênio também pode motivas a diminuição da elasticidade da parede da vagina, apresentando uma vagina menor e com estreitamente menor.

A uretra, que é o canal onde há a urina drenada da bexiga, também tem dificuldades com produções baixas do hormônio de estrogênio posteriormente a menopausa. A atrofia da uretra pode desencadear à incontinência da urina.

Infecções de urinas que ocorrem sempre também destacam um problema para diversas pessoas do sexo feminino em etapa de climatério. A insuficiência do estrogênio pode fazer com que o pH da vagina aumente e modifique a flora bacteriana, reduzindo as bactérias naturais da vagina que promovem a proteção da mulher em relação às infecções de urina.

Infecções de urinas que ocorrem sempre também destacam um problema para diversas pessoas do sexo feminino em etapa de climatério. A insuficiência do estrogênio pode fazer com que o pH da vagina aumente e modifique a flora bacteriana, reduzindo as bactérias naturais da vagina que promovem a proteção da mulher em relação às infecções de urina.

Depressão e modificações relacionadas ao humor

No momento transitório da etapa de reprodução para a etapa do climatério, algumas pessoas do público feminino podem ter o desenvolvimento de modificações do humor, oscilando entre a tristeza, a irritação, e ainda a dificuldade em se concentrar, mostrando-se desinteressada por tarefas comuns.

Modificações relacionadas ao sono são muito naturais, e podem fazer com que a mulher durma muito ou tenha dificuldade para o início ou mantimento do sono.

Problemas que duram vários períodos

O desassossego da diminuição de produção de hormônio posterior ao momento da menopausa também motiva aos sinais consequentes que duram por vários períodos.

Dentre as mais simples se destacam a elasticidade da pele que vai se perdendo, a elevação da probabilidade da osteoporose, dores nas articulações: pés, mãos, etc. e, ainda, a elevação da incidência de patologias cardíacas e vasculares.

Outras modificações comuns do organismo em virtude da menopausa, destacam-se a elasticidade dos seios que também vai se perdendo, a força e brilho dos fios capilares que reduzem, a diminuição da saúde dentária e gengivas, dor nas costas e em articulações específicas.


Leia também!

Deixe um comentário